Vende-se redação

Uma anedota sobre a maritaca criativa:  recebemos solicitações de orçamento para fazermos redação de processos seletivos com certa recorrência. No final do mês passado mesmo foram umas três mensagens assim. Sempre nos causa estranhamento pensar que hoje em dia há meios de se pedir para outra pessoa fazer a redação por você – somos do tempo dos processos presenciais. E sempre rimos um pouco, também – não prestamos esse tipo de serviço, mas será que seria o caso de ampliarmos o escopo e triplicarmos o faturamento?

Brincadeiras à parte, esse tipo de solicitação sempre me deixa pensando na dificuldade das pessoas com a palavra escrita. Eu pessoalmente sempre achei mais fácil articular as ideias por escrito que oralmente. O papel não dá brecha para o espírito da escada e para interrupções, além de proporcionar o tempo necessário para respirar e pesquisar o assunto, esclarecer dúvidas, refletir e elaborar melhor suas opiniões com embasamento. E o principal: escrever te dá a oportunidade de revisar.

Pensando nessa demanda inusitada por redação, que apesar da brincadeira lá em cima por ora não temos a intenção de atender, decidi listar algumas dicas para quem precisa escrever e não sabe por onde começar.

 

1- Leia com atenção a proposta da redação e se certifique de que você entendeu o que é para ser feito

Se você não entendeu a proposta da redação, não adianta você ser um exímio escritor. Releia a orientação quantas vezes for necessário. Pergunte-se: o que já sei sobre o assunto? O que não sei? Que opiniões e informações já tenho sobre o tema? Que aspectos ainda preciso pesquisar?

 

2- Pesquise sobre o tema e faça anotações sobre os pontos principais

Já que estamos falando de contextos em que se sabe o tema da redação com antecedência, aproveite para pesquisar sobre o assunto. Dê sempre preferência a fontes fidedignas, com dados confiáveis, como livros, notícias, artigos científicos e documentários. Pesquise autores com abordagens diferentes – o conhecimento sobre mais de um ponto de vista enriquecerá seu texto. Sempre que possível, consulte a fonte original da informação. Lembre-se de referenciar e citar todas as fontes utilizadas.

 

3- Organize sua argumentação

Leve em consideração o limite de caracteres e/ou palavras e esquematize antes de escrever como será sua abordagem – que ideias serão defendidas, e qual será o embasamento de cada ponto colocado? Apoie suas opiniões com fatos, acontecimentos e dados estatísticos reais.

 

4- Faça uso de gramática, dicionário e dicionário de ideias afins

Esses materiais são ferramentas muito úteis para escrever de maneira correta e descobrir novas palavras e formas de expressar suas ideias, deixando seu texto mais rico e interessante.

 

5 – Revise cuidadosamente

Já disse isso antes e não me canso de repetir – não existe texto bom sem ser revisado. É na revisão que você irá verificar se suas ideias fazem sentido, se você se expressou de maneira clara, se não há trechos que poderiam ser melhorados – além de ser a oportunidade de checar se há erros gramaticais, de grafia, digitação etc. Já escrevi um artigo inteiro só sobre a etapa da revisão, recomendo a leitura.

 

Agora uma dica para a vida: faça da leitura um hábito. Se você não gosta de livros, leia revistas, jornais, notícias, artigos científicos. Pesquise mais a fundo temas que te interessam ou te inflamam. Ler e pesquisar irá te ajudar a desenvolver sua habilidade de analisar discursos de maneira crítica e argumentar com coerência – o que é essencial para escrever bons textos. E escreva sempre que puder. Para enfrentar uma página em branco bastam bons argumentos e palavras.